Seis elementos do ‘blockchain’ que vai mudar o seu negócio

El Economista

21/11/2018

Por Luis del Barrio, Diretor de Marketing e Relações Externas da The Mail Company

Blockchain, como vimos, está se tornando-se uma tecnologia corporativa. Definida como uma base de dados global distribuída e formada por outros níveis de cadeias de interligado e concebido para impedir a modificação uma vez que um artigo foi publicado, utilizando e conectando-se com o bloco anterior ou posterior, que ainda não sabe quadras onde tomaremos, mas especialistas já prever como ela vai afetar o nosso negócio Blockchain como novos processos tecnológicos.

1. Muito mais que um criptomoeda
Bitcoin, até agora, é o primeiro e mais conhecido uso de Blockchain. No entanto, o criptomoeda é apenas mais uma aplicação de uma tecnologia que já foi utilizado na votação, segurança alimentar e até mesmo nos embarques e expedições, entre muitos outros setores. Empresas como a Walmart, IBM e Amazon já estão experimentando com Blockchain. A discussão Bitcoin sobre se ou não uma bolha ou moda- está ofuscando, talvez deliberadamente, os avanços nesta tecnologia em outros campos.

2. Os contratos e certificados inteligentes
No entanto, muitas empresas acham que Blockchain tem uma implementação complicada ou possíveis falhas que tornam seu uso e rastreabilidade difícil. Esta consideração está fazendo o atraso em a sua geral adoção, mas Blockchain provou ser muito útil na criação de contratos inteligentes e certificados. Outra questão é que o texto é complicado e que o mercado ainda tem o fornecimento suficiente de profissionais qualificados em Blockchain.

A expansão do Blockchain será determinado pela forma como ele democratiza. Por exemplo a empresa Iolite permite que qualquer pessoa escrever um contrato de código inteligente tornando-se qualquer acordo verbal por um algoritmo desenvolvido em código aberto.

3. Cadeia de Suprimentos
Durante 2017, em parte devido à efervescência do Bitcoin, surgiram vários projetos baseados no Blockchain. Um ano se passou e muitas dessas iniciativas ainda são testes-piloto que não esclarecem como essa tecnologia funciona e, acima de tudo, como “monetizá-la”. A implementação comercial em larga escala virá, mais cedo ou mais tarde, e terá um uso extensivo em processos de cadeias de suprimento e participação de intermediários.

Já existem iniciativas nesse aspecto, além da criptomoeda. Um exemplo é o RunCPA, a primeira plataforma de marketing digital baseada no Blockchain, que já conta com mais de 5.000 participantes, e que aplica o método do custo por ação. Vantagens? A transparência total de cada transação e as empresas podem rastrear o movimento de qualquer produto, reduzindo riscos e custos… e tendo mais informações sobre o cliente.

4. Blockchain, computação de borda e IOT
Você conhece o termo Edge Computing? É um tipo de tecnologia que em breve se aplicará tanto no setor industrial quanto no de negócios, o que proporcionará muito mais autonomia aos dispositivos e soluções de gerenciamento, tornando-os mais “prontos”. Mas como? AI, com capacidade de autoaprendizagem? Muito mais simples, simplesmente redistribuindo e adaptando o papel de cada elemento da infraestrutura atual. E é aí que Blockchain e cloud computing entram, é claro, permitindo que aplicativos sejam desenvolvidos em qualquer lugar, movendo o conhecimento que agora é executado em data centers – onde um único proprietário fornece ao desenvolvedor do aplicativo todo o seu ambiente virtual – para outros locais onde a infra-estrutura não é propriedade de um único interlocutor, mas de todos aqueles que o utilizam.

5. Maior segurança na origem dos dados
Como o próprio nome sugere, essa é uma cadeia de blocos por meio da qual as empresas saberão quais dados estão sendo processados, quem os criou ou manipulou, quando e onde foram criados… e como o proprietário desses dados tem direito a sua organização sobre eles. Um “serviço de fonte de dados” hipotético permitirá que o desenvolvedor de software adicione dispositivos à rede e rastreie cada parte de seus dados, permitindo que outros os acessem, sempre com sua permissão expressa. Um serviço que pode ser fornecido através da contratação inteligente de que falamos anteriormente.

6. Uma nova gestão e não apenas tecnológica
Estamos errados se pensarmos que as empresas só precisarão de especialistas da Blockchain em seus departamentos ou sistemas de TI. Não. O gerenciamento de negócios deve considerar o Blockchain, como acontece agora com a digitalização ou com a nuvem. É verdade que agora estamos limitados a uma curva de early adopters. Seu uso, resultado e monetização ainda estão sendo estudados. Também não sabemos em quais setores será mais eficiente. Parece que o setor financeiro está liderando o caminho aplicando a tecnologia Blockchain aos seus serviços e usando-a para proteger ativos e lançar novos modelos de comércio e troca.

As empresas estão contratando engenheiros e técnicos que dominam a tecnologia em diferentes níveis. Nos próximos dois ou três anos veremos um uso muito mais difundido, especialmente quando os serviços e soluções de negócios da Blockchain se tornarem mais amplamente disponíveis.

Vá para a publicação